Parcerias

A “Questão de Equilíbrio” – Associação de Educação e Inserção de Jovens (QE) foi fundada em 1994 para trabalhar com crianças e jovens com idades entre os 8 e os 15 anos que estavam ou viviam na rua, sinalizadas como em situação de risco, vítimas de negligência, maus-tratos e abusos sexuais, fazendo algumas, parte de uma rede internacional de pedofilia, praticando atividades marginais, consumindo substâncias psicotrópicas em situação de abandono escolar.

Actualmente a “QE” tem dois lares / residências, o Lar 1 de Junho onde acolhe crianças e jovens entre os 12 e os 18 anos e o Lar de Autonomia para apoio a jovens entre os 18 e os 21 anos, bem como uma valência designada CAFAP (Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental), para acompanhamento de famílias com crianças e jovens a seu cargo, em situação de risco e de exclusão social, ajudando-as a adquirir ou a descobrir competências próprias que permitam encontrar as respostas específicas para os seus problemas, tentando evitar que tais crianças venham a ser institucionalizadas.

Na intervenção que realiza no âmbito dos processos de (re)socialização, de aquisição de competências básicas, sociais e pessoais, de modificabilidade comportamental social, bem como de controlo emocional, a QE utiliza o dispositivo ARPI (Actividades de Risco e Pedagogia de Intervenção), que criou e desenvolveu ao longo de vários anos, que articula as Atividades de Risco Controlado com a Pedagogia Institucional e estas com as metodologias clássicas de intervenção e acompanhamento psicossocial.

De 2002 a 2008 geriu o projecto nacional “Escola da Floresta”, articulando com escolas básicas e secundárias do concelho de Setúbal, com o objectivo de responder ao acompanhamento de jovens em risco de abandono escolar.

Coordenou o projecto europeu “Forest School: the Learning Adventure” (Escola da Floresta: a Aventura da Aprendizagem) de 2014 a 2017.

Tipo de Organização: IPSS (Instituição particular de Solidariedade Social) / ONG (organização não governamental)

Cidade: Palmela e Setúbal

Região: Distrito de Setúbal

País: Portugal

Website: www.questãodeequilibrio.org

 

A Escola Secundária de Palmela (ESP) tem (em 2014) cerca de 1.000 alunos em Cursos de Educação Formação e Cursos Profissionais.

A Turma Piloto 1 – Operação de Sistemas Informáticos, participou no projecto nos anos de 2015/2016.

Os restantes alunos frequentam o Ensino Básico e o Ensino Secundário Regular.

O corpo docente é constituído por cerca de 100 profissionais, com a faixa etária mais representativa situada entre os 40 e os 50 anos de idade. Mais de metade dos docentes pertence ao Quadro da Escola e/ou está há mais de 5 anos na escola.

O pessoal não docente, num total de 35 trabalhadores, mais de metade tem vínculo efectivo e permanece na escola há mais de 5 anos.

A ESP serve uma população com características sociais e económicas estáveis, já que uma significativa percentagem dos pais tem vínculo efectivo com a entidade patronal.

Tipo de Organização: Escola Secundária / Ministério da Educação

Cidade: Palmela

Região: Distrito de Setúbal

País: Portugal

Website: portal.espalmela.net

 

MIEC (Mouvement des Institutions et de Ecoles Citoyennes) é uma rede que reagrupa mais de 60 escolas ou instituições na parte francófona da Bélgica (Wallonie e Bruxelas). Estas escolas acolhem crianças ou adolescentes colocados pelos juízes, ou quando vivem em condições económicas ou familiares difíceis, encontrando-se em situação de risco social.

Desenvolveram, no seio desta rede, toda uma série de estratégias e métodos de canalização da violência ou da agressividade que surgiram nas diferentes instituições e que poderão ocorrer nas escolas.

Colocam e formam os profissionais de terreno para a formação de SAS (Serviços de Escuta e Descompressão) de forma a acompanharem situações de agressividade, cólera, ajudando a pessoa a encontrar as razões para tal situação, o que passa por falar sobre as situações de crise… “mettre des mots sur la crise”.

Instalam “Escolas de Cidadania”, segundo os princípios da Pedagogia Institucional, para lutar contra o silêncio das instituições ou das escolas fechadas “ecoles -casernes”. O aluno deverá ser o centro da escola, propondo, construindo e fazendo respeitar as leis.

Desenvolveram diversos dispositivos de acompanhamento dos jovens que escapam à vigilância dos dois dispositivos referidos atrás, utilizando quer as terapias de choque quer métodos de acompanhamento psicoterapêutico. Para tal, formam terapeutas capazes de acompanhar os jovens nas suas dificuldades, especializando-se em estratégias de resiliência.

Tipo de Organização: rede de escolas

Cidade: Biesne

Região: BE35 – Prov. Namur

País: Bélgica

Website: www.miec.be

 

A Foreningen Netvaertket DHI tem sede em Risskov na Dinamarca, iniciou a sua actividade em 1994, sendo uma rede de organizações para partilha de conhecimentos sobre as problemáticas juvenis.

A partir de uma abordagem holística do indivíduo, pretende ir ao encontro das necessidades de jovens com necessidades especiais. Os membros desta rede empenharam-se em criar uma coerência nos vários aspectos da vida dos jovens: escola, condições de vida, lazer e trabalho. Estes aspectos precisam de estar em sintonia ou articulados para que um jovem possa beneficiar dos mesmos, nomeadamente no caso da educação.

A palavra-chave é “rede”, entendida esta tanto como rede de segurança na vida de uma pessoa, como a cooperação entre um grupo de pessoas e instituições que trabalham com e para jovens com necessidades especiais. A rede abrange necessidades especiais em sentido amplo, incluindo jovens com origem étnica diferente da dinamarquesa, cujas necessidades são, na sua maioria, baseadas nas condições sociais. Trata-se de uma rede viva e dinâmica, que inclui mais de 60 escolas, instituições profissionais, empresas, sindicatos e associações. Esta rede inclui também entre os seus membros, instituições de ensino superior.

O trabalho com a DHI incluiu gestão / coordenação e avaliação de projetos, mas principalmente suporte e apoio profissional à prática pedagógica.

Esta rede apoia projetos escolares onde a motivação é conseguida com recurso a atividades físicas de exterior, focando os seus objetivos na reinserção de jovens no sistema educativo. Tem desenvolvido métodos de trabalho e pedagogias específicas destinadas à intervenção com jovens marginais, o que considera ser adequado para outros jovens, nomeadamente os menos motivados.

A Rede coordena projetos em colaboração com sindicatos e autoridades locais em que jovens com problemas (criminalidade, abuso de substâncias, etc) fazem parte da “equipa de construção”, em que o líder da equipa também foi um mentor especializado. Este projeto foi extremamente bem sucedido e muitos dos jovens continuaram como aprendizes em empresas de construção.

Estruturou ainda um curso de assistente turístico para jovens particularmente vulneráveis, em que aqueles colaboram com museus, Folk High Schools (escolas de educação não formal para adultos), com oficinas – escolas profissionalizantes e organizações culturais (Aarhus Cidade Europeia da Cultura). Pretendem desenvolver um conceito de formação com aprendizagem através da atividade física e prática, em que todas as organizações de formação e empresas colaboram para planificar o curso.

 

Centro de Formação de Escolas do Barreiro e Moita

O Centro de Formação desenvolve a sua atividade há cerca de 20 anos. A partir de 2008, devido a uma restruturação da REDE Nacional de Centros, verificou-se uma união do Centro de Formação da Moita com o Centro de Formação do Barreiro, tendo sido definida a atual área geográfica, constituída pelos concelhos do Barreiro e Moita. Ao longo de todos estes anos, o Centro de Formação tem desenvolvido a sua atividade de formação, dirigida a professores, a pessoal não docente e também a Pais e Encarregados de Educação, além dos próprios formadores.

A formação que tem sido ministrada, além das temáticas das Didáticas específicas em concordância com os programas das disciplinas, tem direccionado a atividade formativa também para temáticas transversais, tais como multiculturalidade, relação pedagógica, gestão e a resolução de conflitos, educação para a saúde, indisciplina, prevenção da violência em contexto escolar e NEE.

Atualmente, além destas temáticas e correspondendo às necessidades das escolas associadas face aos contextos atuais, têm ainda sido preocupação do Centro outras, tais como as lideranças e autonomia das escolas e a avaliação nas suas várias vertentes: avaliação das aprendizagens, avaliação interna e externa das escolas e avaliação do desempenho docente constituindo o domínio da avaliação um eixo formativo forte neste momento. O Centro tem promovido outras iniciativas que se inserem na reflexão e debate de ideias, tais como Jornadas Pedagógicas anuais e encontros temáticos como o das Bibliotecas Escolares. É de realçar ainda o trabalho desenvolvido no âmbito da “Rede de Centros Entre Tejo e Sado” da qual faz parte e que abrange toda a Península de Setúbal. Este trabalho é baseado em parcerias e trabalho colaborativo, estabelecido através de protocolos com os outros Centros de Formação da Rede. O CFECBM tem também protocolos com as autarquias, com instituições do ensino superior, e com outras entidades locais, sendo ainda parceiro em projetos com intervenção social, como por exemplo o Programa “Escolhas do Vale da Amoreira” e a Rede de Empregabilidade, projectos de índole social que procuram dar resposta a problemas de inclusão social da região (Concelho da Moita), contribuindo, neste âmbito com a disponibilização de formadores para ministrar formação a um sector da população iliterado ou não dominando a Língua Portuguesa

A participação nestes projetos coaduna-se também com a preocupação deste Centro com questões inerentes à Estratégia 2020.

Tipo de Organização: Centro de Educação nível Secundário

Cidade: Barreiro

Região: Distrito de Setúbal / PT17-Lisboa

País: Portugal

Website: http://www.aebarreiro.pt

 

erasmus
Agência Nacional Portuguesa
ação2

qe

esp

misc

dhi

cf
fs

ung